Sigilo, privacidade, segurança e proteção de dados na Plataforma Confirma.

O que você precisa saber

A Confirma é uma plataforma que contribui para a elaboração, organização e implementação de estratégias que propiciam a agilização na tomada de decisões, na realização de pesquisas de avaliação e intenções de votos e no planejamento das estratégias para as campanhas eleitorais de 2020. O conjunto de modernos atributos tecnológicos embarcado na Confirma assegura fortemente a redução dos custos inerentes ao processo eleitoral.

A plataforma segue estritamente as orientações da Lei Geral de Proteção de Dados (Lei nº 13.709/18), que versa sobre as formas adequadas de acesso, consentimento, portabilidade e revogação de dados.

Os dados inseridos pelos próprios usuários(as) são restritos a eles. Já os demais dados disponíveis nas ferramentas Mapa do Voto e Informações Eleitorais são públicos e derivam de diferentes fontes de informação, como o TSE, por exemplo.

A arquitetura de dados disponibilizados pelo TSE e os cuidados adotados pela Confirma geraram um volume gigantesco de dados que possibilitam, através de algoritmos e inteligência estratégica de consultas, verificar o resultado das votações em um mesmo local de 2008 até 2018. Para atingir essa articulação, foi preciso adotar estratégias e ferramentas que pudessem garantir a segurança absoluta para apresentar os dados que, apesar de públicos, são ‘estanques’, ou seja, não se comunicam de uma eleição para outra.

Cada candidato ou usuário(a), a partir de uma compra individual de acesso, ou usuário, a partir da compra de um plano como as realizadas por diretórios municipais, estaduais ou nacionais (ou pelos movimentos suprapartidários, instituições de ensino e pesquisa, ou ainda por agências de comunicação e marketing) recebe senhas e logins próprios e únicos. Independentemente da quantidade de usuários que as campanhas venham a ter, a unicidade e individualidade do acesso é um princípio fundamental na Confirma. Isso impede o compartilhamento dessas informações (login e senha) para acessar o ambiente de trabalho. A compra do plano municipal – para tornar o preço ainda mais baixo - é coletiva. Entretanto, as campanhas, os acessos, as atividades de planejamento, as criações e os registros de contatos, as anotações no diário de campanha, o planejamento da distribuição dos votos, entre outras atividades, são únicas e vinculadas a uma campanha específica. O compartilhamento destes registros com as instâncias partidárias somente será possível com prévia autorização do proprietário dessa campanha.

O que difere a compra individual da compra de um plano é a possibilidade de atuação e otimização de estratégias conjuntas, visto que a coordenação de campanha / diretório terá acesso às informações a respeito dos locais onde os candidatos do mesmo partido concentram as suas ações de campanha que foram previamente pactuadas.

Por exemplo: ao perceber que a maior parte dos candidatos(as) de seu respectivo partido está concentrada na região “x”, a coordenação da campanha poderá sugerir maior participação na região “y” a fim de conquistar públicos de outras localidades. Nenhuma informação é compartilhada sem a prévia autorização do proprietário dela, ou seja, o dono da candidatura. O dashboard da coordenação visualizará os dados que orientam o acompanhamento das atividades estratégicas do planejamento previamente pactuado no âmbito da campanha majoritária.

Já quem faz a compra individual de acesso não poderá integrar as ações estratégicas dos planos, pois o diretório não terá acesso a qualquer tipo de atividade realizada.

Através da compra do plano por um diretório o(a)s candidato(a)s poderão compartilhar informações da sua campanha com o diretório, caso queiram fazê-lo.

Os diretórios, porém, não terão acesso às informações sobre financiamento e recursos de campanha de cada candidatura, ainda que a compra de acesso seja realizada por meio de um plano. Dados sobre os recursos financeiros são de exclusividade de cada candidat(a)o e não há possibilidade de compartilhar a visualização ou acesso aos mesmos. É importante lembrar que a fiscalização da utilização de recursos em campanhas eleitorais é feita exclusivamente por órgãos de registro, fiscalização e controle (TREs e TSE), conforme previsto na legislação vigente.

Informações sobre a agenda de contatos serão partilhadas somente quando houver interesse do candidat(a)o e equipe de campanha. É o usuári(a)o/candidat(a)o que decide esse procedimento.

Ao final das eleições, a partir de janeiro de 2021, tod(a)os o(a)s candidat(a)os – sejam usuári(a)os de compras individuais ou de planos –, receberão uma pasta/arquivo virtual com todos os seus dados imputados durante as eleições 2020.

A Confirma não faz uso de qualquer informação sem o prévio consentimento do usuári(a)o (individual ou plano). A Confirma não utiliza e não repassa dados. Possui um altíssimo padrão de segurança e proteção dos dados aportados no seu banco de dados pelas candidaturas para evitar qualquer tipo de vazamento, seguindo à risca todas as determinações previstas na legislação vigente.